Posts Taggedtempo

O corpo doente

Ainda hoje, a doença do corpo (e, portanto, da existência doente) é a emergência que desfia e extenua o jogo de resultado zero das compreensões, das interpretações, das explicações. A corporeidade doente – a condição do Eu e do mundo que se eclipsam no sintoma do corpo doente, enquanto o sujeito se retrai (dissimulando a si mesmo) numa concretude que apaga toda dimensão metafórica do discurso…

Continua…

O corpo que sou

É difícil falar do corpo numa época repleta de fascinações tecnocientíficas tão poderosas. Nessa transformação radical – em que a realidade virtual incorpora os nossos sentidos e a medicina regenerativa, a nanotecnologia e a bioinformática projetam a imortalidade do homem (nanobots híbridos e proteínas sintéticas que poderão reparar 100% das células corporais) – levar a discussão de volta ao corpo significa, hoje mais do que em…

Continua…

O retorno do tempo

Nunca se termina com o tempo. Todos os maiores mistérios da ciência prezam o problema do tempo. Tudo que pensamos, sentimos e fazemos nos recorda sua existência. Percebemos o mundo com um fluxo de momentos que escandem nossa vida, mas tanto os físicos quanto os filósofos dizem que o tempo é perfeita ilusão. Não só eles, na verdade. Muitas vezes ouvimos, mesmo de pessoas comuns, que…

Continua…

O tempo que vivemos

Um silêncio paradoxal e enigmático envolve a história. Um tempo acidental, de utopias invertidas, emoldura uma experiência suspensa, sem direção, que se despediu definitivamente do passado. O progresso fixou o fio do tempo ao redor de um eterno presente: um presente cada vez mais irrepresentável. As respostas ao problema da temporalidade não resolveram o enigma: apenas permitiram ao homem historicizar o próprio tempo biológico. Mas o…

Continua…